toda luz que não podemos ver | Anthony Doerr

janeiro 30, 2017



A vida pode encontrar diversas maneiras de ser surpreendente. Em alguns casos, surpreendentemente singular.

Imagine-se adolescente e cega, na França em guerra de 1939-1945. Seu pai é funcionário do museu, e construiu pra você uma maquete de todo o bairro para que você consiga aprender caminhos e ser mais independente. De repente, você precisa deixar o seu lar e a realidade que você conhece para fugir da ocupação alemã, com seu pai carregando secretamente uma preciosidade do museu. Em contra partida, nas minas da Alemanha, vive um pobre garoto órfão que com seu talento em mecânica consegue uma bolsa de estudos e logo um cargo no exército alemão. Dois lugares, duas pessoas, dois corações que acabam por se cruzar de uma maneira singela e curta.

Um livro assim pode até soar previsível. Duas pessoas "azaradas" pelas condições da vida, que vivem de maneira diferente e enxergam o mundo de maneira diferente, se esbarram e acabam por se encantar um pelo outro. Potencial pra ser "só" mais uma história de romance não falta, né? Mas isso não é o que você vai encontrar nesse livro.

A escrita do autor é leve e fluida, alternando bem entre a Marie-Laure e Werner. Pode ser cansativa em alguns momentos pra quem não gosta muito de história, pois é impossível escrever um livro vivenciado na segunda grande guerra sem tocar em fatos verídicos pra validar situações e argumentos. O autor não dá aula de história em nenhum momento, mas você irá compreender muito melhor o livro se possuir uma boa noção do que aconteceu naquele período.



Quando perdi a visão, Werner, as pessoas disseram que eu era corajosa. Quando meu pai foi embora, as pessoas disseram que eu era corajosa. Mas não era coragem; eu não tinha escolha. Acordo todos os dias e vivo minha vida. Você não faz a mesma coisa?

Eu poderia falar muito mais sobre os personagens, mas não irei fazer isso pois acredito que tiraria a mágica por trás dessa história maravilhosa. Quando o peguei pra ler, eu havia lido apenas a sinopse. Então, tudo o que aconteceu foi uma completa surpresa pra mim, e espero que também seja pra você.

Lembra que eu disse que a vida poderia ser surpreendente? Pois bem, esse livro consegue ser surpreendentemente lindo, mesmo nos fazendo vivenciar condições terríveis. Toda luz que não podemos ver nos mostra o amor de uma maneira que não costumamos ver, o amor inocente e que acaba guardado pra si mesmo por não ter tido a oportunidade de florescer, mas que não deixa de ser amor.



Até o próximo post, pipou. ❤
5 comentários

sobre voltar a rotina

janeiro 20, 2017


2:32 da madrugada. A vontade de escrever algo superou a curiosidade de terminar mais um episódio da série que estava vendo. É aquele momento que a ficha cai e você pensa: "segunda as férias dão adeus e a rotina volta." Um suspiro. Será que vai ser tudo igual ao ano anterior? Será que vou conseguir me superar dessa vez? Será que os planos vão dar certo, que vou conseguir cumprir meu propósito nessa terra? Ou será que vai dar tudo sempre na mesma? Não sei. E ó, vou logo avisando: sou uma das pessoas mais indecisas que você vai ter o prazer de conhecer por aqui. Partindo disso, não se assuste quando digo que cada pequena decisão é uma batalha de horas na minha mente.

Apenas pouco mais de 15 dias e já nos acostumamos outra vez. 2017 já soa como algo normal, janeiro já está voando pra longe e ainda não comecei tanta coisa. E a gente tenta se acalmar, dar uma dose de "deboisse" pro cérebro dizendo: relaxa que semana que vem os exercícios vão estar em dia, o refrigerante banido, os estudos organizados e as séries também. Do dia 1 pra cá, foram 19 dias em que eu disse isso. Suspiro.

Então, isso é mais uma nota pra mim mesma que talvez também sirva pra você: não espere a segunda pra começar. É uma cilada. Quando você piscar vai ser a segunda de fevereiro, agosto, outubro e então 2018. E tudo de novo. Não dá.

A verdade é que, não quero que o tempo me roube isso aqui. Que a fase adulta tome minha inspiração, minha singularidade, meu amor pelos detalhes e o desejo de registra-los pela escrita e pela fotografia. Não vou permitir que isso morra. Anotem: posso ter 20 ou 50 anos, vou continuar escrevendo pra cá e fotografando. Porque o bom da vida é justamente isso aqui.

Mas a coisa mais importante que eu tenho pra te dizer, é que Deus tá no controle de tudo. Não deixe de ter essa certeza gravada no seu coração. O mundo pode virar o giro de uma montanha russa de repente, mas não se esqueça: Ele está lá, com você e por amor a você.

E por favor, não deixe seus sonhos morrerem. Nada te impede de correr atrás deles, seja sua idade, suas condições ou o que os outros pensam. Seja você.

Fiquem com Jesus e até o próximo post. ❤

Um comentário
© Agridoce Vida - Todos os direitos reservados. • Maira G.